quinta-feira, 3 de setembro de 2009

ENTRE O CÉU E O INFERNO

Santana Lopes foi hoje ao programa «5 para a meia-noite», na RTP2. Ao ser questionado por Nilton, o apresentor de serviço, sobre a eleição de Obama, Santana Lopes disse, literalmente, que «foi uma bênção para o mundo». E depois explicou que o estilo calmo e seguro de Obama tem sido importante para a pacificação das zonas agitadas do mundo.

E repetiu: «para os que são crentes, a eleição de Obama foi uma bênção dos céus», concluiu Santana Lopes.

Ora bem: crenças à parte, o meu desejo é que para todos - cristãos, judeus, muçulmanos e ateus - o próximo primeiro ministro de Portugal, que sair das próximas eleições a 27 de Setembro, seja, como diz Santana, «uma bênçãos dos céus» para Portugal.

Já que para Jean-Paul Sarte, o infermo são os outros...

5 comentários:

Paulo Cadeiras disse...

Para 1º ministro não sei bem quem escolho mas para Presidente de Câmara de Salvaterra Magos num Futuro próximo sei.

João Maria disse...

Dr. Luís gostei do seu artigo, o que de certa forma vem dar enfase à situação/conjuntura existente no sistem político português.
Se será uma benção de Deus não ter o Sr. Pinto de Sousa como primeiro ministro, deste país à beira mar "plantado", acredito, de forma convicta, que sim será numa grande benção.
Quando à afirmação, do Sr. Paulo Cadeiras, também eu sei em quem votar num futuro próximo para a Edilidade de Salvaterra de Magos.

António Palma disse...

Parece que afinal a ideia de "sujar as mãos" não é assim tão descabida, pois pelo que vejo no comentário um voto já está garantido. Parabens.
Quanto ao 1º ministro também espero o mesmo, que ele seja uma benção de Deus para Portugal, pois estamos muito necessitados dessa dádiva.

Othelo disse...

Entre o céu e o inferno, prefereria a Suissa!

clara Patricio disse...

Dr. Luís,
Como bom comunicador, não conheço outro melhor.
Na política... vá em frente, se o caminho que quer construir for para um futuro melhor.
Faço votos que seja com muita verdade e transparência;sem nunca esquecer, as coisas boas que aprendeu e ensinou durante vinte e tal anos, enquanto foi somente Pastor Protestante.
Clara